quinta-feira, agosto 12, 2004

Cassete, esse eterno ícone da política portuguesa

Ícone transversal aos vários quadrantes políticos, bem entendido. Se outrora era matriz da persistência de Cunhal - pecúlio que nos quiseram fazer crer teria sido herdado por Carvalhas - torna-se agora instrumento de governação obscura que se pensava de outras eras, de outras latitudes.

Não, Doutor Santana Lopes, não, eu não quero ser protegido das razões que o levam a aceitar demissões, estejam elas ocultadas em cassetes ou em modernos CD. Eu, instruído que venho sendo para tal ao longo da minha existência de cidadão, aguento a verdade. Mais, quero a verdade.

O que eu não quero é ver o senhor, sabe-se lá de que obscura forma e com que alcance, e até quando, tomar decisões numa catacumba por debaixo de São Bento. Eu sei que "opinião pública" é uma expressão mal gasta. Mas, atente nisto, é também um conceito fundador das democracias. É um mecanismo que traz, quanto possível, a política para as ruas. E olhe que se isso assusta, acredito que sim, só os totalitarismos a puseram contra a parede.

Claro que a opinião pública também pode ser mesquinha, mas se essa mesquinhez for alimentada pelo centro de decisão apenas podemos esperar o potenciar do défice democrático.

Mundanices à parte, eu - não por uma questão de curiosidade, mas de cidadania - quero saber por que mudaram o director nacional da Polícia Judiciária dos portugueses. Só isto. De resto, a Justiça vai fazer-se nos tribunais, não será assim?


Um abraço e até logo

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial