quarta-feira, julho 02, 2008


UM POL DIFERENTE

E quem é esse, bebé? És tu, papá. Mas desenhaste uma boca triste. Porque tu estás triste, papá. Eu estou triste? Estás, mas é outro Pol (chamou-me pelo meu nome). É um Pol diferente.

Mas brincávamos. E eu ria. Mau fingidor, eu. Ou sublimes, as crianças. Puras. Feitas essência ainda. Capazes de se debruçarem dos nossos olhos para o dentro que temos. É assim que eu quero que me olhe. E que aquele outro Pol vá dar uma volta.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial