sexta-feira, abril 09, 2004

Esperança - nome para futuro

Isto foi o que eu vi. A meio desta semana, talvez na quarta. Paro nos sinais da Avenida Brasil quando se cruza com a Estados Unidos da América (é possivel que os nomes estejam errados... não sou grande espingarda nestas coisas). Uma mulher com bebé do tamanho da minha bebé começa a ronda pelos carros. Prosta-se durante segundos diante da janela do passageiro da frente. O carro avança centímetros estratégicos para a desencorajar. Ela volta-se para a fila. Está um sol abrasador. O bebé tem na cabeça um pano negro enrolado. Veste só fralda e um body branco. A mulher recomeça a marcha. A janela de trás do carro abre-se. A mulher pára. De dentro do carro sai uma mão pequenina. Estende uma daquelas gomas compridas encarnadas e retorcidas que parecem salgadas mas são na realidade açucaradas. A mão pequenina estende a goma e o bebé ao colo da mulher estende-se e apanha o doce. Sorri. A mulher também sorri e diz qualquer coisa para a mão pequenina.

A minha filha não tem uma vida de rainha, apesar de ser para mim uma princesa. Mas, na realidade, neste momento em que escrevo esta história de Páscoa, a única diferença entre aquele bebé e a minha filha é que a... é minha filha e aquele bebé é filho daquela mulher. A minha filha estava naquele momento na escolinha - como dizemos em casa - com outros meninos como ela. O bebé estava nos semáforos da Av. Brasil com a Estados Unidos da América. Nunca desejaria isso para a... , mas quero que ela seja um dia como aquela mão que saiu de um carro com uma goma na mão.

Um abraço, até logo

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial