quinta-feira, maio 27, 2004

No fio da navalha, eu caio para cima

É impressionante o quão ténue é a linha que muitas vezes separa o bem do mal. Igualmente, a linha mestra que separa o Fausto de um Luís Represas. Qualquer semelhança é no entanto apenas fruto do acaso. Coisas para além... da casuística.

O mago da pop(ular) está de volta ao fim de anos. Vocês sabem de quem é que eu estou a falar. Vocês sabem que eu sei que vocês sabem.

Um abraço e até já

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial